fbpx

Coimbra

Manuseado

coimbra_capa_br

Autores

Ficha técnica

6.75

* O preço final inclui 10% de desconto do editor (válido até 31/12/2023).

A ilustradora portuguesa Catarina Sobral nasceu na carismática Rua da Sofia, mas a sua juventude foi passada entre viagens numa linha de comboio que já não existe: a Linha da Lousã. Estudou Artes na Escola Secundária Avelar Brotero e foi tão bom que já nem se lembra dos dias de mau tempo. Recorda, em vez disso, o nevoeiro das castanhas assadas nas ruas da Baixa, as escadarias irregulares do Quebra-Costas e as sombras da Alameda das Tílias, no Jardim Botânico. O TAGV, onde assistia à programação cultural da cidade, exibiu um dos seus filmes de animação no festival Caminhos do Cinema Português, em 2018. Curiosamente, as telas conimbricenses dos antigos centros comerciais, o Girassolum e o Avenida, também contribuíram para a sua formação cinematográfica. Coimbra é uma canção, já se sabe; aqui, é sobretudo um conjunto de desenhos que revelam recantos e perspectivas de uma das mais célebres cidades portuguesas.

Habitar uma cidade é conhecer os seus traços e desenhá-la implica habitá-la. Na colecção A Minha Cidade, são apresentadas cidades de todo o mundo que se vão descobrindo à medida que se desdobra cada livro, seguindo o caminho traçado por ilustradores que as habitam. Os livros, em formato de desdobrável, são compostos por um mapa e 12 sítios ilustrados e descritos de forma intimista por quem os desenha.

Coimbra por Catarina Sobral

«Escolher 12 sítios da cidade de Coimbra, que representassem a minha terra natal, demorou quase dois anos. Fazer o livro, talvez uns dois meses. Por um lado, a maior parte desses sítios mudou muito desde que lá estudei (e mais ainda desde que lá passava os natais). Por outro, Coimbra é uma cidade que me alegra e me entristece, e reflectir sobre ela foi um exercício agridoce. Este livro convida, por isso, a um duplo passeio —no espaço e no tempo —e, se lerem com atenção, sentirão nostalgia, zanga, inocência e outros sentimentos intensos, típicos da infância.»

coimbra_capa_br

6.75

Newsletter Do pato

Só precisamos de saber o seu nome e a sua morada.